O tripé do musico

 

O Tripé que Sustenta um Bom Musico (Léo Magalhães)

“Você deve encarar a música como um tripé”.

Essa foi a frase que mais me marcou quando tive a primeira aula com um grande guitarrista que viria a me ensinar muito do que hoje sei. Hoje, considero essa maneira de pensar muito interessante para quem quer se destacar como músico.

Como sabemos, um tripé é uma estrutura bastante estável e firme, mas, experimente remover qualquer um dos três pés e veja o resultado. Outra coisa interessante a observar é que nenhum dos pés é mais importante que o outro, ou seja, qualquer um que removermos, a queda será certa. Tudo bem, mas o que isso tem a ver com música? Você deve estar se perguntando. E é exatamente o que veremos.

Na música, os pés desse tripé são: Estudar, ouvir e tocar. Mantendo bons hábitos em relação a esses três elementos, você estará certamente seguindo uma direção desejada por todos: O Sucesso.

Quando falo em sucesso, não falo em ser reconhecido na rua, dar autógrafos, vender milhões de disco, não! Esse tipo de sucesso depende de muitas outras questões que não discutiremos aqui. Falo de se tornar um músico competente, habilidoso e realizado pela certeza de ser um bom representante dessa nobre arte.

Mesmo assim, é preciso tomar muito cuidado para não seguir esses passos de forma equivocada. Aqui vão algumas dicas que podem ajudar em cada um deles.

 

Estudar

 

Quantas vezes você já se pegou indo estudar seu instrumento e fica repetindo mil vezes uma coisa que já sabe fazer? Ou então tem uma ideia muito legal para uma parte de uma música que está fazendo mas, por não conseguir executar de imediato, troca por outra mais fácil? Pois bem, isso tudo vai contra um estudo proveitoso e eficaz. É importante ter em mente que nem sempre estudar é divertido. A diversão vem depois, com a facilidade que as duras horas de estudo trarão para tocar qualquer coisa que você quiser.

Dicas:

– Procure enfatizar seu estudo em coisas que você ainda não domina.

– Use sempre um metrônomo- Quando estudamos sem ele, nos limitamos a um andamento confortável, e não nos forçamos a aumentar a velocidade, além disso, ele ajuda na precisão da execução.

– Divida bem seus estudos – Não foque apenas em uma coisa, se preciso, defina no papel o quanto se dedicará a cada item. ( o tempo vai variar de acordo com a vontade e a disponibilidade de cada um.)

Ex.:

  • Técnica: 20 min
  • Escalas e arpejos: 20 min
  • Harmonia: 20 min.
  • Leitura: 20 min
  • Repertório: 40 min

– Seja curioso – Busque sempre informação, queira entender as escalas, os acordes, porque você acha aquela parte de determinada música tão legal. Procure e talvez ache uma explicação.

-Comece sempre estudando lento e buscando clareza no som. Não se preocupe em ser o mais rápido do mundo. Lembre-se, música não é corrida, mais vale uma nota bem colocada do que cem jogadas fora.

 

 Ouvir

 

Você diria: “Isso eu já faço!Tenho um disco que fico escutando o dia inteiro!” Mas aí eu pergunto, você já ouviu um disco de Jazz? Um de samba? Sertanejo? Pois é, ao ouvir, você deve fugir dos preconceitos. Até em um disco que você acha horrível, com certeza tem coisas a ensinar. Nem que seja identificar alí o que você não quer de jeito nenhum para sua música.

Dicas:

– Ouça de tudo -não diga que uma coisa é ruim só porque todos os seus amigos dizem. Ouça e tire suas conclusões.

– Adquira repertório – Passe as músicas que você gosta para o âmbito do estudo.

– Ouça como músico- Procure reconhecer e entender o que está acontecendo na música que ouve.

– Busque ouvir os ídolos dos seus ídolos. Procure referências e músicos que influenciaram quem te influencia.

 

 Tocar

 

Pra tocar é preciso uma banda, certo? Errado! Muita gente fica sem tocar por ficar esperando cair do céu a “banda ideal”. O importante em tocar é a troca, a adrenalina envolvida. Como já diriam no futebol e é muito válido na música:”Treino é treino, jogo é jogo”.

Dicas:

– Comece tocando com um amigo, muitas bandas começam assim.

– Procure pessoas com o mesmo interesse.

– Toque também com pessoas de estilo diferente do seu. A maneira da pessoa visualizar e utilizar certas técnicas pode influenciar no seu jeito de tocar.

– Troque informações e não tenha vergonha de pedir para o seu amigo lhe ensinar alguma coisa que achou legal.

– Nunca se julgue bom demais pra tocar com alguém. Qualquer pessoa tem alguma coisa que pode acrescentar.

– Toque sempre que puder- como disse, não fique esperando o show ideal ou a banda ideal!

– Toque sozinho- Se desenvolva a ponto de conseguir fazer uma coisa interessante sem precisar de outros músicos.

Agora é com você. Tenha essas dicas em mente e colha os resultados! Lembre-se sempre de não deixar sua música bamba por aí!

Nos próximos artigos trarei dicas do que ouvir, escalas e aplicações, estudos e muito mais do mundo da música.

Compartilhar